DS CRÉDITO MARINHA GRANDE

DS CRÉDITO MARINHA GRANDE

COMO POUPAR ATÉ 60% NO SEU SEGURO

 

Sabia que existem pelo menos dois seguros para casas que são obrigatórios quando solicita um crédito à habitação?

É o caso do seguro de vida e do multirriscos-habitação.

Conheça o modo de funcionamento destes produtos e quais as suas características. Porque é que os seguros para casas são obrigatórios?

Estes seguros são exigidos pelas instituições financeiras como garantia de risco associado ao empréstimo à habitação, uma vez que o montante financiado neste tipo de crédito é normalmente elevado e, como tal, os bancos necessitam de ver salvaguardado o valor que emprestam aos consumidores.

Os seguros para casas podem ser feitos com as seguradoras parceiras dos bancos ou através de quaisquer outras companhias de seguros.

O importante a reter é que não tem de aceitar as condições que o banco oferece, podendo procurar outras opções no mercado.

Sugerimos que peça uma simulação com e sem seguros associados para perceber se, face à contratação de seguros com um prémio mais atrativo fora da instituição financeira.

Se está ainda à procura de um financiamento para comprar a sua casa, sugerimos que compare as soluções do mercado. Deste modo – e tal como deve fazer para os seus seguros para casas – consegue encontrar o empréstimo que melhor corresponde às suas necessidades.

1. Finalidade

Em caso de morte ou invalidez de um dos titulares do crédito à habitação, o seguro poderá ser acionado.

O que acontece em termos de processo é relativamente simples:

o prémio do seguro é transferido para a instituição financeira, o valor em dívida é liquidado (parcial ou totalmente) e o empréstimo em questão é cancelado. Logo, a finalidade do seguro de vida do crédito à habitação é a de proteger os contraentes do empréstimo contra uma eventual morte ou invalidez de um dos titulares.

2. Coberturas

Existem algumas coberturas a considerar, sendo as primeiras três as mais comuns: Morte;

Invalidez Total e Permanente (ITP);

Invalidez Absoluta e Definitiva (IAD);

Diagnóstico de doenças graves;

Morte por doença, por acidente ou por acidente de circulação;

Reembolso das despesas de internamento hospitalar por acidente.

A cobertura de morte é a principal, mas, por norma, as instituições financeiras exigem uma das outras duas. A ITP é a mais abrangente e o titular do crédito à habitação deve ter uma incapacidade de 60% ou mais para que o seguro seja acionado.

Já a IAD é a mais comum de ser apresentada pelos bancos aos clientes e só pode ser ativada em caso de invalidez absoluta do titular.

No caso de existirem dois titulares no empréstimo, este tipo de seguro pode ser contratado de forma total ou parcial. Ou seja, um casal pode contratar, por exemplo, 100% ou 50% do seguro para cada um.

Se for feito a 100%, no caso de morte ou invalidez, o montante em dívida é pago, na totalidade, pela seguradora à entidade financeira. Por outro lado, se o seguro for feito com uma cobertura de 50% para cada um dos titulares, no caso de morte ou invalidez a dívida só é paga a 50%, tendo o outro titular de pagar a parte restante do empréstimo.

Desta forma, sendo um dos seguros para casas exigidos pelos bancos, deverá ponderar a cobertura a 100%. Embora represente um montante superior no seu orçamento mensal, uma cobertura superior garante maior segurança.

3. Capital seguro

O capital seguro é o montante pago pela companhia de seguros quando alguma das coberturas é acionada.

Este corresponde ao valor em dívida na instituição financeira e, desta forma, as seguradoras devem atualizar o capital seguro de acordo com a amortização realizada pelos titulares.

Isto significa que as prestações mensais que paga ao banco reduzem o valor em dívida e, como tal, esse montante deve ser descontado no capital seguro.

4. Prémio

O prémio do seguro de vida habitação é calculado com base no capital seguro, mas o seu cálculo também tem em consideração a idade dos tomadores do seguro.

Quanto maior for a idade destes, mais elevado será o prémio, porque o risco aumenta. Ainda assim, o valor do prémio vai decrescendo à medida que os segurados abatem o montante em dívida.

5. Adesão

Aquando da subscrição de um seguro de vida, é preciso concretizar alguns passos. Em primeiro lugar, os segurados terão de responder a um questionário médico visando atestar o seu estado de saúde.

Posteriormente, este questionário será analisado e, consoante as respostas, o seguro será aprovado ou rejeitado.

Por fim, é definido um prémio a aplicar.

Em alguns casos poderá mesmo ser necessário realizar uma consulta médica para que o seguro possa ser aceite.